A famigerada raquetinha

É bem coisa de pobre. De pobre estressado. Ai, meu Deus, e eu comprei…

Bom, temos os fatos, então vamos às circunstâncias que me levaram a tal. Vocês sabem o quanto eu amo(not!) bichinhos voadores, não é mesmo? Desde pequena, eu tenho verdadeiro HORROR à mosquinhas, formiguinhas (ok, não voam, mas irritam), pernilongos..nem as joaninhas se salvam. Na casa de praia eu subia em cima da cama com um par de havaianas na mão e não dormia antes de matar to-dos os pernilongos escondidos no quarto. Meu marido dizia que eu parecia uma serial killer. Obstinada mesmo.

Quando eu vi vendendo no semáforo aquelas raquetinhas que dão choque em mosca, meus olhinhos brilharam. Resolvi comprar, pois para mim era O investimento. Cheguei em casa com aquilo e fui recebida com honras de chefe de Estado. Impressionante. Peguei a raquete e e pensei: “Podem vir que hoje estou armada!”. Acho que não precisa nem dizer que eu levei um baile dos bichinhos e que o máximo que eu consegui foi ficar tonta..lamentável, e pensar que estava acreditando tanto em meu potencial! Se é verdade que as moscas só têm 3 dias de vida, passaram os 3 dias rindo da minha cara.

Mas o pior que poderia acontecer é a sua tia-avó, de 73 anos, ficar amarradona na raquetinha e se viciar! Gente, sem brincadeira nenhuma, ela não largou a raquete! Matou todos os bichos que tinham dentro de casa e todos nós de susto cada vez que vinha com aquela arma em nossa direção! A sessão vespertina de calafrios, digo, hora do café da tarde era um terrorismo! E ela senta bem na minha frente! Levar a chícara do pires até a boca pode parecer um ato simples, mas acreditem: não quando há alguém armado diante de ti!

Para ela era uma questão de honra matar a mosca, não importando nada em volta. Era um tal de eu e minha irmã desviarmos o açucareiro do caminho, a garrafa de café, os biscoitinhos…quando ela pegava uma mosca e fazia aquele barulhinho TEK do choque, ela vibrava: “Hahá!” Um dia escutamos lá da cozinha: TEK, TEK, TEK, TEK, TEK sem parar! Eu e minha irmã pensamos “Nossa! Ela tá craque mesmo!”. Fomos lá conferir e a encontramos detonando uma turma de bichinhos daqueles ficam em cima do cacho de banana. É…minha tia-avó tornara-se uma adicta.

4 Comments

  1. Anna
    Posted 06/03/10 at 7:05 pm | Permalink | Responder

    Hahahaha to rindo muitooooooo (Eu e o Sandro na verdade). A primeira vez que vi aquela raquete na casa do Sandro (Isso em Floripa ainda, ele tinha levado aqui do Rio), eu nao entendi para que ela funcionava e ele me explicou, mas eu achava que era mentira, pq eu achava que o mosquito passaria pelo buraco, ele tentou fazer uma demonstracao, mas era inverno e nao tinha mosquitos. Quando cheguei aqui no Rio, vi que simmmmmmmmmmmmm ela era verdadeira, e hoje eu sou apaixonada pela tal raquete, pq aqui abriu a janela ‘e uma mosquitolandia…o Sandro fica louco comigo pq eu fico fritando o mosquito pareco uma serial killer mesmo hahaha!!!

  2. Posted 06/03/10 at 11:22 pm | Permalink | Responder

    Hahahaha! Adoro a Tia Sonia!
    E quero MUITO uma raquetinha pra miiiiiim!
    Morar em cidade pequena já viu…BUGS é oq não falta!
    Mas os tiozinhos do sinal fogem da gente, eu e o Pablo já tentamos comprar VÁRIAS vezes!
    Bom, um dia eu ainda tenho a minha…quem sabe eu não subo o morro e fazemos um campeonato!
    Bjinho!

  3. heloisa
    Posted 07/03/10 at 5:48 am | Permalink | Responder

    HAUHAUAHUAHUAHUAHUAHAU
    Cheguei a escutar a voz da tia Sonia dizendo “HAHA”.
    Quando vc disse que tinha comprado uma coisa de pobre para solucionar o problema dos insetos achei que era uma daquelas fitas adesivas que a mosca fica grudada. Nossa aquilo é muito nojento! Estou aliviada por ser a raquete.

  4. Posted 07/03/10 at 9:20 am | Permalink | Responder

    qq dia somos nós que levamos um tek tek tek na fuça! hehehe ;)

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: