Carmina Burana na minha infância

Minha família é composta por muitos professores e crescer em meio a pessoas que sempre valorizaram a cultura me fez uma criança feliz. Eu tinha pertinho de mim Artes, Literatura, Música, História!

Uma vez, no CIC, apresentamos a Carmina Burana, de Carl Orff. Nós entrávamos só em duas músicas: Amor volat undique e Tempus es iocundum, que pediam vozes pueris. Eu adorava! A professora de coral é que não gostava muito da minha voz, mas daí é uma outra história. :)
Vivo cantando Tempus es iocundum para a minha filha e algumas partes ela canta junto, apesar de não entender a letra (é que latim medieval ainda não é muito popular entre as crianças).

O que eu acho fascinante é que toda essa obra poderia nunca ter sido descoberta. Foi achada em um pergaminho perdido em uma biblioteca na Baviera. Nele estavam cerca de 200 poemas que enfatizam a roda-da-fortuna, o ciclo de sorte e azar que temos ao longo de nossa vida. Pois bem, após os escritos serem editados, Carl Orff arranjou alguns dos poemas e tudo culminou nas canções que conhecemos hoje e que são símbolo de uma Era.

Tem um vídeo no youtube de uma orquestra cantando a Carmina Burana de Carl Orff que eu gostei bastante: http://www.youtube.com/watch?v=QEllLECo4OM

É um vídeo de toda a apresentação, mas é só deixar baixando. Leva uns 15 minutinhos e vale a pena. A primeira música (Ó Fortuna, que também fecha o espetáculo) todo mundo conhece e vou colocar um pedacinho aqui, com a tradução:

O Fortuna / Ó Fortuna   velut luna / és como a Lua   statu variabilis, / mutável,
semper crescis / sempre aumentas   aut decrescis / e diminuis;   vita detestabilis, / a detestável vida
nunc obdurat / ore escurece   et tunc curat; / e ora clareia   ludo mentis aciem, / por brincadeira a mente;
egestatem, / miséria,   potestatem / poder,   dissolvit ut glaciem. / ela os funde como gelo.

Pena não ter aquela bolinha saltitante em cima da letra para acompanhar!

2 Comments

  1. soniarivello
    Posted 03/09/09 at 7:22 pm | Permalink | Responder

    Guardo até hoje o libreto com o seu nome e o da sua irmã.
    Fico feliz de você ter essas lembranças e as repassar pra Rafaella.

  2. Posted 30/09/09 at 8:38 pm | Permalink | Responder

    Essa semana mesmo eu estava também pensando na importância do Pernalonga na minha vida e na minha educação musical. Quase tudo do que mais gosto de ópera é decorrente dos desenhos dele. Lembro como se fosse hoje ele cantando Fígarooooo…. era bom demais…

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: